Dicas de como usar o lápis no Desenho Realista – Charles Laveso

Olá, tudo bem? Seja bem vindo a mais uma participação nossa aqui no canal do Youtube Hoje eu quero falar sobre as pontas de lápis lapiseira; qual é a melhor forma de sombrear para alcançar um trabalho suave; qual é a melhor forma de trabalhar com o lápis, a posição de desenhar com lápis para que você consiga alcançar um resultado uniforme, homogêneo, com uma sombra leve, um trabalho de se ver Então fica comigo aqui nesse vídeo que a gente vai tratar desse assunto

Bom, durante o tempo em que eu dei aulas presenciais de desenho realista, eu percebi a dificuldade que muitos alunos têm em controlar o peso da mão na hora de fazer um sombreamento, sempre exageram ou deixam muito leve Conforme o tempo foi passando eu percebia que a grande maioria tinha uma dificuldade enorme de manter um traço leve, um traço que fosse do começo do desenho até o fim, conseguisse ser suave, ser leve, realmente E hoje nas aulas virtuais, pela experiência que eu adquiri com as aulas presenciais, quando eu vejo um desenho de aluno dentro do grupo que a gente dá suporte, eu já percebo se ele usou lápis deitado ou se usou o lápis mais em pé, se estava com a ponta mais fina ou se estava com a ponta mais grossa, porque o lápis com a ponta mais grossa sempre dá um aspecto mais rústico ao desenho, ele sempre dá um aspecto mais poroso, de acordo com o papel que está sendo usado, e nunca consegue alcançar uma precisão no sombreamento, sempre fica meio manchado, sempre ficar com algumas texturas granuladas por cima das manchas e não consegue um trabalho limpo, não consegue um trabalho é esteticamente bonito, um lápis com a ponta grossa E conseqüentemente, quando você trabalha também com a ponta grossa, você não consegue trabalhar um sombreamento leve porque quando você vai passando, vai ficando poroso, a tendência é a mão forçar um pouco mais o lápis para ver se consegue alcançar um resultado mais uniforme e na verdade fica mais escuro porém não quer dizer que fique uniforme E agora, semana passada, eu estava vendo o meu menino de 9 anos fazendo um trabalho de escola e ele aponta o lápis com um apontador comum, aquele que tem o depósito da sujeirinha do grafite, eles apontam e fica aquela ponta curta (daquele apontador comum escolar)

Percebi que quando ele deixa muito apontado, ele quebra a ponta Quando ele deixa muito curta, ele não consegue uma letra bonita A letra, além de ficar grossa, fica garranchuda, não fica bonita a letra E aí, teve uma hora que ele saiu, eu peguei o lápis dele e apontei com um apontador daqueles de manivela, deixei uma ponta bem longa, bem comprida e fina Na hora que ele voltou e pegou o lápis, falou: Ué, você apontou o lápis meu? Falei: Sim, apontei o lápis, e com essa ponta aí você vai conseguir escrever melhor

Dito e feito, aponta era tão grande que ele ficou com medo de quebrar, e aí por ele está com medo de quebrar ele fazia bem leve e aí ele conseguia fazer um traço mais fino, mais limpo e mais consistente com medo de quebrar a ponta, ou seja, sempre que eu mando ele fazer um desenho eu digo pra ele: Ó, faz de leve porque se você errar fica fácil de apagar Ele fala: Mas eu não consigo fazer traço leve Só que agora, com a ponta mais aguda, mais fina, mais comprida, ele conseguiu fazer o traço leve, por que? Porque o cérebro reconhece que se forçar, vai quebrar Então o nosso cérebro se adapta à situação de acordo com a necessidade que ela pede Se eu sei que vai quebrar a ponta, eu não vou forçar

Logo, eu preciso exercer sobre a minha mão uma leveza para que eu consiga alcançar um traço mais suave E no desenho realista, a gente precisa muito trabalhar com o lápis bem apontado para que a gente consiga, além de suavidade, também precisão, que vai impedir que os poros do papel, interfira no resultado do desenho, porque o papel em si já é poroso, então, se você trabalha com lápis com a ponta grossa ou o lápis deitado, levemente deitado, você não vai conseguir fazer com que o grafite penetre nos poros do papel, e aí o grafite vai ficar só na superfície mais alta do papel, ou seja, no granulado do papel, e os poros que ficam afundados, no caso, não recebem o grafite E aí, quando você olha como um todo, você percebe ele todo pontilhado, todo rústico o desenho, exatamente por essa forma de usar o lápis Então, o que eu aconselho: Use o lápis na mesma posição que você utiliza para escrever Então você segura o lápis na mesma posição da sua escrita, você só controla o peso desses dois dedos, o polegar e o indicador, você controla a força nesses dois dedos

E aí, se você afrouxa um pouco mais esses dedos, você vai conseguir mais leveza, porém sempre trabalhando com o lápis apontado e na posição da escrita, nunca segurando o lápis lá na rabeira, deixando o lápis deitado para conseguir mais leveza Você consegue leveza desse jeito, porém, não consegue precisão, e no desenho realista (guarda isso), você precisa de leveza, mas também precisa ser preciso Ficou meio redundante né? Precisa ser preciso pra que você consiga penetrar nos poros do papel e gerar assim um aspecto harmonioso no seu desenho, e não aquele aspecto riscado, rabiscado pelo lápis Então fica essa dica do lápis Outra coisa é a lapiseira também, a lapiseira 0

5mm e a 03mm também é bem legal de você usar Se você for usar, por exemplo, a 05, com grafite 4B, você tem ali um grafite bem escuro e ao mesmo tempo muito macio, ou seja, ele quebra com facilidade e se você deixar a ponta bem alongada, você vai perceber que qualquer movimento em falso você vai quebrar a ponta, então é legal pra você treinar a leveza da sua mão Você trabalha com a ponta bem pra fora da biqueira a lapiseira, e aí, quando você vai desenhar, você já exerce leveza na mão, e essa leveza da mão que vai treinando, vai condicionando o seu cérebro a exercer sobre a sua mão o controle necessário para produzir o tipo de traço que você deseja

E, na lapiseira 03, a mesma coisa Porém, na lapiseira 03, o grafite mais macio que você tem pra ela é o B ou 2B na linha técnica, que é a mesma coisa do B da linha artística Quando você vai usar, a mesma coisa, pode pôr a ponta bem pra fora e treina trabalhar ali, passando a informação para o seu cérebro de que a sua mão precisa ser mais leve, porque do contrário, não vai alcançar resultados, porque se ela for mais pesada, consequentemente as pontas vão se quebrar sempre, então assim você vai estar treinando

E com isso, você treinando a sua mão, você consegue alcançar resultados em qualquer outra técnica, porque tudo está no controle que você envia da informação do cérebro para a mão Se você controla sua mão de acordo com aquilo que você pensa que precisa fazer, você consegue também alcançar resultados Agora, se uma coisa é o que você pensa, e outra coisa é o que você faz, por falta de habilidade, por falta de destreza no fazer, então você precisa colocar tipos de exercícios para que a sua mão consiga alcançar os resultados que o seu cérebro transmite para ela, que precisam ser alcançados, ok? Então fica essa dica: Lapiseira 05, lapiseira 03 e o lápis, independente da graduação, sempre bem apontado

Aquele apontador de manivela, esse aqui que você está vendo, é o ideal para você conseguir fazer uma ponta longa, ou então o estilete, só que com o estilete demora mais, aí você tem que tirar a madeira, afinar a mina pra ficar aquela ponta bem pontiaguda e conseguir também um resultado bacana, ok? Se precisar eu mostro isso num outro vídeo na prática, a diferença de uma coisa e outra, os movimentos que você pode estar fazendo para conseguir um resultado mais homogêneo, mais liso, mais bonito, e a gente faz um vídeo mostrando isso aí Deixa seus comentários, se você curtiu esse vídeo, deixa o seu like, se inscreva no nosso canal e em breve a gente vai estar colocando novos vídeos aí com novos conteúdos, às vezes prático, às vezes teórico, mas sempre enriquecendo de alguma forma o seu conhecimento no desenho realista Um abraço e te vejo no próximo vídeo, valeu!